Crédito: Divulgação / Itamaraty

Crédito: Divulgação / Itamaraty

Brasília – “É fundamental insistirmos na urgência da confirmação do calendário eleitoral. O povo precisa falar. A voz do povo é um elemento central na solução da crise venezuelana, [além do] respeito às prerrogativas da assembleia e a libertação de presos políticos”.

Assim foi a manifestação do ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, durante a visita do secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, Luis Almagro, a Brasília nesta segunda-feira (10).

A pressão internacional cresceu sobre Caracas após o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) da Venezuela ter revogado, temporariamente no último mês de março, as funções do Parlamento.

“A única saída da crise institucional e política é com eleições, com um cronograma eleitoral”, disse Almacro. “Praticamente cada artigo da Carta Democrática Interamericana foi afetado pela situação na Venezuela e pelo manejo político do governo venezuelano”, ressaltou.

No último mês de março, a OEA aprovou declaração condenando Caracas por “alteração inconstitucional da ordem democrática”. “As opções permanecem abertas na OEA para tratar a questão venezuelana. Entre elas a avaliação coletiva da situação do país, como descreve a Carta Democrática da organização”, afirmou Aloysio Nunes.

Ajuda humanitária

O chanceler brasileiro reforçou ainda que o governo brasileiro insiste na ajuda humanitária a Caracas. “Ajuda humanitária capaz de minorar o sofrimento que passa o povo venezuelano pela falta de alimentos e remédios”, disse.

Em fevereiro deste ano, o governo do presidente Nicolás Maduro havia rejeitado uma oferta de ajuda do governo do Brasil que incluía o envio de remédios.

Deixe um comentário