Reunião do Conselho de Segurança da ONU em Nova Iorque - Crédito: Divulgação/ONU

Reunião do Conselho de Segurança da ONU em Nova Iorque – Crédito: Divulgação/ONU

São Tomé – O governo brasileiro defende discutir a inclusão de países africanos no Conselho de Segurança das Nações Unidas. “Não tem cabimento nós termos um sistema que não reflete mais a realidade do mundo de hoje”, declarou o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira.

A declaração do chanceler ocorreu logo após reunião com o primeiro-ministro de São Tomé e Príncipe, Patrice Émery Trovoada, na capital da ilha. A atual composição permanente do conselho foi definida após o fim da Segunda Guerra Mundial. Atualmente, compõem o grupo China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Rússia.

“Hoje são mais de 50 nações africanas, países independentes, que precisam ter uma voz mais forte no sistema de governança das Nações Unidas”, afirmou Aloysio Nunes.

Ainda durante o encontro, o chefe de governo são-tomense manifestou preocupação com a segurança alimentar em seu país. “Nós brasileiros temos uma experiência boa em apoio à pequena produção, à produção familiar. Temos um programa de segurança alimentar que liga a agricultura familiar à alimentação escolar”, disse o chanceler do Brasil ao ressaltar o interesse de aprofundar no intercâmbio bilateral com São Tomé e Príncipe.

Atualmente, a cooperação técnica é o eixo central no relacionamento entre os dois países, envolvendo áreas como a informatização do governo local, além do controle e prevenção do HIV/AIDS.

Deixe um comentário