Os chanceleres Aloysio Nunes Ferreira (Brasil) e Angelino Alfano (Itália). Crédito: Divulgação.

Os chanceleres Aloysio Nunes Ferreira (Brasil) e Angelino Alfano (Itália). Crédito: Divulgação.

 

Roma – A Itália apoia a entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Nesta segunda-feira (13), em comunicado  conjunto divulgado pelos países, Roma ressaltou ainda que está empenhada também na conclusão do acordo entre Mercosul e União Europeia “preferencialmente até a próxima Conferência Ministerial da OMC, em dezembro, em Buenos Aires”.

A manifestação foi publicada logo após a reunião do ministro das Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes Ferreira, com o chanceler Angelino Alfano, na capital italiana.

O brasileiro destacou que, diante da melhora da economia brasileira, há um quadro propício à retomada da parceria estratégica entre os dois países, como os mecanismos de consulta política, de cooperação econômica, industrial, financeira e desenvolvimento e a comissão mista de ciência e tecnologia.

“Esses mecanismos estavam um pouco dormentes e hoje nós tomamos providencias para reativá-los. A Itália é um parceiro essencial para o desenvolvimento brasileiro”, afirmou Aloysio Nunes Ferreira.

Ainda na ocasião, o ministro do Brasil convidou o colega para visitar Brasília em 2018. A última visita de um chanceler da Itália ao país ocorreu em 2015.

O país europeu é o 9º maior parceiro comercial brasileiro. Está em 9º lugar como destino das exportações e em 6º como origem das importações. Foi o 5º maior investidor no Brasil no último ano, de acordo com o fluxo de investimento estrangeiro direto (IED).

Battisti

Aloysio Nunes destacou que, na questão do italiano Cesare Battisti – condenado à prisão perpétua em seu país natal – a questão da extradição está pendente de uma decisão do Supremo Tribunal Federal sobre um recurso apresentado pela defesa.

O chanceler sugeriu que Roma use da figura judicial do amicus curiae, “que é alguém que sustenta uma determinado ponto de vista ou interesse, ou dá informações necessárias ao
bom julgamento de uma causa”.

“Creio que seria muito positivo se o governo italiano pudesse designar alguém para dizer o que todos nós sabemos: a Itália é um país onde os direitos dos acusados são respeitados e onde se leva em mais alta conta o do processo legal”, emendou.

Deixe um comentário