Crédito: Divulgação

Crédito: Divulgação

Buenos Aires – Em conversa com jornalistas neste domingo (10) durante a abertura da reunião ministerial da Organização Mundial do Comércio (OMC), o chanceler Aloysio Nunes Ferreira alertou para a tendência protecionista no intercâmbio comercial.

“Atrapalha a convivência dos seres humanos no planeta. O Brasil acredita que o comércio é um fator de desenvolvimento, fator de paz”, reforçou o  ministro das Relações Exteriores.

“É importante a existência da OMC para garantir que o comércio mundial se faça entre os países de acordo com regras equilibradas, que todos os países participem. Cada país é um voto, independente de seu tamanho”, disse.

Questionado sobre quais seriam os temas prioritários da delegação do Brasil no evento, Aloysio Nunes destacou a questão agrícola. A discussão gira em torno de quanto os países estão autorizados a subsidiar suas agriculturas para formar estoques alimentares – sem que estes armazenamentos possam ser exportados.

“Queremos estabelecer um limite para que os países mais ricos não distorçam o mercado agrícola mundial com seus produtos”. explicou.

Mais cedo, também na capital argentina, o brasileiro participou de reunião dos chanceleres do Mercosul com a comissária de Comércio da União Europeia, Cecilia Malmstrom. O encontro foi para discutir o acordo entre os dois blocos.

“[Na reunião], demos instruções para os negociadores técnicos. E agora começou uma negociação. [Durante o período do evento da OMC], será possível avançar muito na conclusão”, afirmou Aloysio Nunes.

“Para o Mercosul, é o acesso a um mercado de 750 milhões de pessoas (UE). Vai gerar mais investimentos de empresas europeias e [é] a inserção do Brasil, do Mercosul no mundo”.

Deixe um comentário